Posted in English

Mansplaining Pronouns to an Actual Linguist

A video drifted into my feed yesterday by someone I’d never heard of before and it looked interesting so I listened to it while I was getting ready to go out. The chap who made the video is a linguist and he decided to weigh in on the controversial topic of pronouns and how they are being used, mainly in English, mainly by younger people in relatively affluent communities. If you don’t know why pronouns are controversial, well, consider yourself lucky, but basically whether we refer to people as he or she or something else, and under what circumstances is currently occupying a lot of social media and traditional media output. Frankly I’m baffled, but middle-aged people being baffled by stuff the youngs are obsessed with isn’t exactly news, is it? ūü§∑ūüŹľ

Anyway, as weird as it is in English, it’s even weirder in languages like portuguese where gender-specific pronouns are ascribed not only to people but to pens, apples, books and the concept of liberty*.

I’ve written a few posts about pronoun shifts a while ago um… Now where did I leave those? I started with this one, and a few people said the pun on the word “neuter” was problematic but that doesn’t seem to have stopped me repeating the crime a few weeks later when I really expanded on the subject here and then for a little reprise here.

Anyway if that kind of thing is something that interests you, I can recommend the whole video: it’s full of thought-provoking stuff. On the other hand, if you’re not, no worries because I only wanted to focus on a few seconds in the middle anyway. So, let me at least tell you why I decided to contradict him despite the fact that he is an expert and I am not.

At around 8 minutes and 25-ish seconds, he is discussing instances of relatively new pronouns that have been drafted into languages, relatively late in their development and he says “Portuguese has the impersonal ‘a gente'”. Except he says it in a Brazilian accent so it’s more like “a Genchee”.

Why, Brazilians? Why?

Gente is a feminine, singular noun that refers to a group of people but it’s true that portuguese speakers do use “a gente” as a stand-in for a group of people in place of “we”. It makes the grammar simpler because you don’t have to wrap your tongue around the n√≥s form of the verb, you can just conjugate it in the third person singular – “a gente fala…” in place of “n√≥s falamos”. It sounds a bit odd to English speakers but it works. As far as I can tell, it’s much more common in Brazil but it does exist in Portugal too. Of course it’s very informal, but I think it’s wrong to say it’s a pronoun. Even though it’s playing a similar role in the sentence – filling in in place of what could be a list of names, you could say the same about other collective nouns. Take “The family” as in “The family are getting together for Christmas” which could easily have been “We are getting together for Christmas”. Or what about “guys” in situations like “It’s just the guys, together again” or “hello guys, and welcome to another video”. Definitely not pronouns, right, but they are really fulfilling the same role as “a gente”.

Using nouns as stand-ins for people happens in formal speech too. You will almost certainly have heard people addressing each other as “o senhor” or “a senhora” or even “o doutor” Again, these are behaving in a fairly pronoun-like way, but they’re both nouns. You’re just talking to the person in the third person. “How is the gentleman?” instead of “How are you?” It’s the same kind of thing.

I felt like I was being a but of a reply guy, challenging someone in their academic discipline. Luckily we are both dudes, so I can’t be accused of mansplaining but even so, it’s a bit… Well, let’s say “hubristic”.

The Results Are In, You Bastards

Mansplaining cat

So, I made a reddit poll to ask native speakers on r/portugu√™s to tell me if I’m right in my thinking. To my huge annoyance, judging by the early results, ‘yes, it’s a pronoun” seems to be winning over “no, it’s just a noun”. It’s a pretty close result in Portugal but overwhelming in Brazil.

In my defence, democracy is overrated. But if that brilliant argument doesn’t convince you, the explanation someone gave is that although “gente” is a noun, “a gente” os technically known as “uma locu√ß√£o pronomial” with “the same value as the personal pronoun ‘n√≥s'” s√≥ it’s not a pronoun per se, but it works like one. Meh, I can live with that form of words, I think.

Finally, a European speaker said he was taught never to use it as a pronoun because it was “extremamente errado” and whenever he used it his grandpa would say “A gente? Agente √© da pol√≠cia!”

Preach it!


*Respectively: lady, lady, gentleman, lady, if you’re keeping score.

Posted in English, Portuguese

Bandeiras e Mapas

The Flag of Bahrain in Portuguese
Here Comes Bahrain Again, Falling I’m My Head Like A Memory

Ando a jogar “Quiz de Geografia” porque quero saber mais sobre as bandeiras do mundo, mas a l√≠ngua padr√£o do meu telem√≥vel √© PT-PT, portanto os nomes dos pa√≠ses t√™m de ser escritos em portugu√™s tamb√©m. √Č um √≥timo m√©todo para aprender os nomes portugueses de v√°rios pa√≠ses pequenos que ainda n√£o sei porque raramente penso neles, tal como “Quirguist√£o”, “Camboja” e “Fran√ßa”.

The name of the app is “Quiz de Geografia” in my phone but I have all its settings in portuguese (as discussed here) so it might present as something else if you haven’t taken this gung-ho approach. As with many things, names of countries and capitals are subject to orthographic reform

Posted in Portuguese

Brev√≠ssima Hist√≥ria de Portugal – A. H. de Oliveira Marques

Li este livro durante um projecto que estou a fazer sobre a história portuguesa. Lê-se muito bem, e traz pormenores suficientes para um iniciante, tal como eu, e vamos ser honestos: escrever a história dum país inteiro de modo interessante e informativo ao mesmo tempo não é nada fácil! Dá para entender os factos básicos, e colorir a imagem preta e branca que eu obtive do livro escolar que li recentemente.

Como j√° disse (ontem, na opini√£o de “√Č de Noite que Fa√ßo as Perguntas”) o projecto est√° a ajudar-me entender a cronologia do pa√≠s. Ajudou-me arrumar os factos que j√° sabia num ordem, ou seja, atou-os num fio: as batalhas, os reis, o terremoto, os motivos pela revolu√ß√£o dos cravos. Compreendi melhor o enredo da banda desenhada sobre a primeira republica, e a placa que j√° vi no Porto em Mar√ßo, que comemora a persegui√ß√£o do MUD.

Claro, existem ainda muitas, mas mesmo muitas coisas que n√£o sei mas acho que vou parar, ou pelo menos fazer uma pausa porque n√£o estou pronto para mergulhar-me dentro dos pormenores do decl√≠nio do imp√©rio, o desenvolvimento de socialismo ou o pequeno almo√ßo preferido do Infante Dom Henrique. Se calhar, no ano seguinte…

Posted in Portuguese

Gooble Gobble

Est√° muito frio aqui em Aylesbury, e sinto o tempo ainda mais porque ontem estive no Porto. Fui para pedir a cidadania portuguesa. Como alguns de voc√™s j√° sabem, a nossa fam√≠lia √© anglo-portuguesa (ou seja luso-brit√Ęnica). N√£o vot√°mos para aquela tolice do Brexit mas quer queiramos quer n√£o, parece cada vez mais inevit√°vel que vai acontecer portanto todos n√≥s ingleses casados com estrangeiros temos de pensar no futuro. Ningu√©m sabe precisamente o que vai acontecer, nem sequer a Primeira Ministra.

Eu e a minha mulher decidimos que o melhor plano de ac√ß√£o era obter dupla cidadania para todos n√≥s. Portanto, ela est√° a pedir atribui√ß√£o de “settled status” (estatuto de residente permanente) e eu e a nossa filha vamos tornarmo-nos portugueses. Depois, venha o que vier, ficaremos juntos e se Deus e o partido conservador quiserem, teremos mais op√ß√Ķes do que teriam tido sen√£o.

P√īr o processo em andamento foi um desafio. Foi muito acidentado, e encontrei alguns funcion√°rios pouco simp√°ticos mas afinal, o Porto √© uma cidade lind√≠ssima, e adorei o meu pesadelo burocr√°tico no para√≠so. Acabei por ficar l√° mais um dia. Um homem muito prestativo ajudou-me. Ainda n√£o marquei golo, mas a bola passou por cima do guarda-redes e est√° quase atrav√©s da linha do golo*

Tenho sentimentos mistos sobre isto da dupla cidadania. N√£o √© algo que consideraria antes do Brexit, mas sinto-me confort√°vel com a decis√£o, apesar disso. √Č a terra da minha esposa. Falo a l√≠ngua (mais ou menos). Gosto da m√ļsica, a comida, adoro a literatura. Claro n√£o sou literalmente portugu√™s, mas espero que cada dia que passe, merecerei a honra de dizer “eu sou portugu√™s”

*There y’go, a futebol analogy – I’m half way there already!

Posted in Portuguese

Os Incêndios

De certeza, sabia que havia inc√™ndios florestais em Portugal este ano, assim como o ano passado e muitos anos anteriormente, mas nunca sabia o tamanho da problema. √Č mesmo horr√≠vel. As fotografias nas redes sociais parecem imagens dum filme apocal√≠ptico. For√ßa aos bombeiros que lutem contra o fogo.

Posted in English

Tuga Window, Tuga Wall

I keep coming across this word “Tuga” on social media only and it’s not in my dictionary so I’d worked out from the context that it was maybe a portuguesified appropriation of “thug” as in “thug life”. Well apparently it’s short for Portuguese. Duh, how thick can I be?

Posted in Portuguese

The Porto Reporto – Part 3

16230406_1065981440214853_7811550234357530624_nO domingo no Porto começou mais cedo do que o sábado. Acordámos às 8:00 e comemos o pequeno almoço no hotel. A Olivia e a Catarina visitaram a Livraria Lello e passámos a manhã a fazer compras turísticas. Também atravessemos o Rio Douro na Ponte Dom Luis I. A vista da Ponte era maravilhosa.

 

 

 

16464763_1937685976454696_2901759907533422592_n1Enfim, chegou o tempo para voltarmos ao aeroporto. O peso das nossas malas quase dobrou por causa dos livros (comprei doze e a Catarina mais dez) e outras lembranças das nossas férias. O taxista conduziu mal, mas não me importei. Costume da condução horrível dos taxistas portugueses. Tentei aproveitei a ultima oportunidade de falar português mas não consegui de pensar em muitos assuntos além do tempo e dos sinais. Esta situação mudou quando aproximamo-nos do aeroporto. Ora, o aeroporto do Porto tem o nome do ex-presidente Francisco Sá Carneiro. O Sr Carneiro morreu num acidente de avião em 1980. A serio, não é uma piada: o nome do aeroporto comemora um acidente de avião! Aqueles portuenses tem um sentido de humor muito esquisito!

16464017_1316807545071605_3484120059410907136_nExistem varias teorias sobre este acidente. Algumas pessoas cr√™em que o Sr Carneiro foi assassinado pelos americanos porque op√īs-se √† presen√ßa americana nas ilhas portuguesas. A minha esposa √© uma delas. Outras pessoas afirmam que o verdadeiro assassino foi M√°rio Soares (o politico que morreu em Janeiro deste ano). O taxista subscreveu a este teoria.
Um debate acalorado começou. Não contribuí.
O Voo correu bem (mas estava assustado de qualquer maneira). Cheg√°mos muito atrasados e apanhamos mais um t√°xi. Este taxista declarou o seu apoio ao Brexit e para o governo de Donald Trump
Mais um debate acalorado começou. Neste caso, contribuí muito mas infelizmente só em inglês.

 Epilogue

Posted in Portuguese

The Porto Reporto – Part 2

16465651_1244432262310160_8144093076592263168_nO Segundo dia na cidade invicta come√ßou tarde. Quando descemos as escadas, o pequeno almo√ßo j√° tinha acabado mas uma camareira simp√°tica trouxe-nos caf√© e pasteis. Depois, a Catarina e a Olivia foram a uma loja de roupas e eu andei entre as varias livrarias a procurar livros interessantes e f√°ceis para ler. Por causa de estar s√≥s, consegui praticar a minha “produ√ß√£o oral”. Fiz perguntas sobre os livros (um velho dono dum livraria de segunda m√£o zangou-se quando pedi-lhe falar mais devagar se faz favor… ups!), falei sobre as cores e tamanhos de cal√ßas de ganga no “C&A” (uma verdadeira surpresa: todas as lojas de C&A inglesas fecharam h√° anos!) e pedi direc√ß√Ķes para o correio (enfim, o correio estava fechado mas havia uma m√°quina onde comprei um selo).

16464724_604731859711791_5670882046621253632_n1Pass√°mos a tarde juntos a explorar a cidade. Almo√ß√°mos num mercado antigo, que tinha sido convertido num centro de artes. Experimentei uma francesinha (salsichas, carne de bife e fiambre dentro de qualquer tipo de massa, coberto de queijo e regado com molho picante….) e achei bom.

 

 

16465495_228477130947396_834039269713510400_nNaquela noite, fomos ao Coliseu do Porto para assistir um concerto dos Deolinda. A – DO – REEEEIIII!!!! A cantora, Ana Bacalhau √© muito simp√°tica, as suas contas foram engra√ßadas e claro a m√ļsica foi perfeita. A minha esposa, que n√£o os conhecia ficou um f√£, e at√© a Olivia (que n√£o ouve m√ļsica al√©m da banda sonora de “Hamilton” hoje em dia, e quase n√£o fala portugu√™s nenhuma) gostou muito do espect√°culo.

 

16464379_1881905812033398_1041084090977091584_n

Ap√≥s do concerto, estava a chover a c√Ęntaros. ficamos debaixo do abrigo do coliseu at√© a que chuva melhorou um pouco, ent√£o andamos at√© ao hotel, comemos sandes mistas e adormecemos.

Day 3 – >

Posted in Portuguese

Era Uma Vez Um Cravo

notebook_image_767045“Era Uma Vez Um Cravo” √© um livro escrito por Jos√© Jorge Letria sob a forma de um poema. Conta a hist√≥ria¬†de um cravo na manh√£ do dia 25 de Abril de 1974. Uma florista ofereceu-o a um militar que passou pela frente da loja dela. P√ī-lo na sua espingarda. H√° muitos desenhos da vida lisboeta na madrugada da revolu√ß√£o: as pra√ßas, as pessoas com penteados e roupas t√≠picas dos anos setenta… Mas at√© para mim, um cidad√£o de um outro pa√≠s, o poema deu-me um sentido de emo√ß√Ķes do povo: a alegria, o orgulho, o al√≠vio de serem libertados enfim.