Posted in English

Fight For Your Right to Partidos

I finished making my notebook about politics in portugal. It’s super-basic, just covering what the main parties there are, who’s in them, who the cabinet is, and a few bits and pieces like that, mostly to help me to understand the news broadcasts I’m listening to and hopefully not feel quite as lost. I exported it to a PDF which I’ll upload here in case anyone else is interested.

Obviously, bear in mind that it’s made in MS Onenote which doesn’t have portuguese spellcheck so it mighty have some spelling mistakes. The facts might not be spot on either but I don’t think I’m far out. See what you think.

A screenshot from the politics guide, showing some of the main parties and the president
A screenshot from the Politics PDF
Posted in English

Challenge of the Week

OK, I’m into the second week of my big push towards C1 proficiency in Portuguese. The Autárquicas (local council elections) are a few days away so I’m going to put a real effort into learning about Portuguese political parties this week, and trying to get my head around what’s at stake and who will be the likely winners and losers, and why.

There are a few podcasts dedicated to the Autárquicas, so I’ve subscribed to one by Antena 1 which seems the most up-to-date and one that’s specific to Viseu and features interviews with all the candidates in that area.

I won’t be limiting myself to the locals though, I’m going to try and get my head around the acronyms and the major players, mainly because I keep seeing their names come up on twitter and I don’t know what to make of the jokes, who is being sarcastic and who isn’t… It seems like something I need to understand properly.

Posted in Portuguese

O Preço da Tolice

Já me queixei muitas vezes da nossa decisão de sairmos da UE. Ganhei mais um motivo de raiva, porque comprei um pacote de aulas. Vendem-se em dólares, mas a taxa de câmbio em vigor está tão ridícula que me custou mais do que anteriormente. Muito obrigado apoiantes do Brexit.

Posted in Portuguese

Explicando o Brexit aos Brasileiros

O meu amigo brasileiro* fez a seguinte pergunta: ‘O que é que se passa aí com o “brexit”‘? e para ser sincero, ando farto de falar nisto. Nós os que votámos contra a proposta do referendo queríamos apenas que as relações entre o nosso país e os nossos vizinhos continentais continuassem sem transtorno, e que continuássemos a ter direitos para viajar, trabalhar e fazer quaisquer coisas nos apetecessem, tal como os outros cidadãos da Europa, mas ao que parece, havia muitas pessoas que tínham uma opinião oposta, quer por motivos de racismo, quer por acreditarem que na união prejudica a democracia, quer por sentirem que o seu modo de vida tinha piorado até um ponto de ser insuportável e que qualquer mudança no sistema iria melhorar as coisas. Mas não é o caso. Comprámos uma mistura de patriotismo, optimismo, mentira e ódio, e agora encontramo-nos ao pé duma catástrofe épica. O único motivo para ser optimista é que finalmente podemos acabar com o nosso hábito de culpar a UE por qualquer problema na nossa vida. Mas cada vez que ligo a televisão, lá está mais um político que fala como se fosse precisamente por causa da UE que tudo isto aconteceu. É óbvio que a retórica vai continuar tóxica durante os próximos anos também.

 

*=sim, após de 3 anos a evitar brasileiros aleatórios que queriam mudar os meus estou-a-fazers para estou-fazendos, agora estou a fazer um intercâmbio linguístico com um brasileiro, mas mora lá em Portugal e por isso as aulas não são assim tão confusas!

Thanks to Fenrnanda for more rigorous corrections on this one. Previous version still full of undetected fuqueups.

Posted in Portuguese

À Noite, No Museu

Bolsonaro as a monkey in
I was going to put Bolsonaro’s face on Ben Stiller’s body but that seemed like it gave him too much credit, so….

É provável que vocês tenham ouvido a notícia da semana passada sobre o Museu Nacional no Rio de Janeiro, onde houve um incéndio catastrófico que destruiu a maior parte do seu espólio de vinte milhões de peças, que constituiu a maior colecção etnográfica e histórica na América do Sul.
Claro esta é uma a tragédia para o povo do Brasil e, ainda por cima, para o mundo em geral. Tantos tesouros sem preço e insubstituíveis deixam um buraco negro na memória da humanidade. Com certeza, existem lições que os gerentes dos museus do mundo devem retirar, sobre como cuidar dos seus conteúdos. Esperemos que as aprendam. Sobretudo, esperemos que os políticos que controlam os orçamentos dos museus proporcionam dinheiro suficiente para fazer as mudanças necessárias. Claro, para o Museu Nacional, é tarde de mais, e a lição seria “casa roubada, trancas na porta”.
Eu já li vários artigos sobre a situação no Brasil, e é interessante de ver como esta tragédia encaixa-se no debate político. Por um lado, há a questão de se o governo actual é culpável, até certo ponto, pela falta de segurança, e por outro lado, este museu continha um registro verdadeiro da diversidade e riqueza de historia brasileira que contradizia a narrativa da extrema-direita, e o seu líder, Jair Bolsonaro. Já que o registro está perdido, tornar-se-á mais fácil para autoritários afirmarem que Brasil é um país homogéneo, e os índios, negros, refugiados venezuelanos, e o resto da “escória do mundo” não se encaixam lá?

Para quem quiser mais informações, eis os artigos que eu li antes de escrever este blog:
Museu Nacional Do Brasil. Um País À Procura De Si Perde O Arquivo Onde Podia Encontrar As Respostas.
Contra-Revolução Autoritária: Brasil Alerta Máximo
Lições a tirar da tragédia do Museu Nacional, no Rio de Janeiro

[Uncorrected] É mais de possível que fiz muitos erros factuais aqui. Confesso que o Brasil não é um país cuja politica anda sempre na frente dos meus pensamentos, e isso é apenas o que retirei de uns artigos que, talvez, eu mal entenda. Parece um assunto interessante mas estou a escrever exclusivamente para praticar e não para dar uma opinião considerada e baseada em evidencia. Se fizesse tal erros, ficaria interessado nas suas opiniões mas espero que não vou ofender ninguém!