Posted in Portuguese

A Colheita

Today’s text is about starting to harvest the allotment. ThisCatIsConfused was kind enough to correct it for me

Já falei do meu lote de terra na horta comunitária? Acho que sim mas não me lembro. Enfim, estamos perto da época de colher frutas. Os morangos, as framboesas, as groselhas tornam-se vermelhas e roxas. Infelizmente, existe um esquilo que acredita que o nosso pequeno quintal é a sua despensa privada. Enfia-se a cabeça abaixo da rede para comer os morangos todos. Comprei um rolo de rede de galinheiro mas as lacunas entre os fios são largas demais.

Além das frutas, há ervas tal como alecrim, coentro e hortelã, é uns vegetais tal como espinafre, acelga e (daqui a pouco) curgetes*.

*=this vegetable goes by many names. I usually call it abobrinha which is one of my favourite

Posted in Portuguese

A Besta do Jardim

Another daily text, kindly corrected by Butt Roidholds. Notes at the bottom.

Ao reitrar* umas ervas daninhas perto das framboeseiras, encontrei cerca de uma dúzia destes monstros aterrorizadores. São larvas de lucano** (ou “vaca loira”) portanto ainda que pareçam assustadoras tento não as transtornar. Coloco-as no solo atrás de uns troncos apodrecidos, abrigado por uma silva. Estarão felizes lá, acho.

Behold the Beast!

*=I don’t know why but I’d never come across this ao+infinitive combination before. It can be used to introduce a subordinate clause like this. “Pulling out weeds in the garden, I found…” I originally wrote it as a present participle: “retirando umas ervas daninhas” but that’s less natural.

**=this one probably won’t be in most people’s vocabulary. It’s a stag beetle larva. Stag beetles are our largest insects and I love them. The alternative name, Vaca Loura, means blonde cow, which is hard to explain.

Posted in Portuguese

As Prateleiras

Pensei em construir umas prateleiras para os vasos que temos cá na horta mas as lojas onde se vende madeira estão fechadas. Felizmente um javardo qualquer abandonou alguns móveis partidos, incluindo uma cama desfeita do lado de fora do clube de remar, ao pé da lixeira, portanto consegui roubar… Hum… Reciclar… algumas peças que achei que serviriam para o meu projecto.

Começámos por separar as lâminas. Alguém ajudou-me mas nem quer estar nas fotos… Depois, cortámos as pranchas em pedaços com uma serra e usámos pregos e parafusos para construir prateleiras à face de uma moldura.

Mas por que é que precisamos de colocar os vasos nas prateleiras? Boa pergunta!

É assim: no ano passado uma raposa escolheu a rede sobre o nosso canteiro de morangueiras como a cama preferida dela e cagou por todo o lado. NOJENTO!

Mas neste ano, já chega. Lamento que tens que dormir e deixar cocô noutro lugar, Senhor Raposo.

[Original blurb: Interestingly, the guy who corrected this made as many mistakes as I did. He changed “onde se vende madeira” to “onde se vendem madeira” which is bollocks and “Senhor Raposa” to “Senhora Raposa”, perhaps assuming that all foxes are female just because the word raposa is feminine. Weird. Well, confusing gender with sex is a peculiarly twenty-first century affliction, I suppose.]

OK, OK, apparently what I should have done was change Raposa to Raposo to specify that it was a male fox. Actually, I have no idea, but I was picturing…

And when a native Portuguese teacher looked at it she found I’d made more mistakes than the Brazilian guy had found so it’s not true that he made as many mistakes as I had. I apologise to him and to all Brazilians for this terrible slander.

It’s interesting though: the word for fox is “raposa”. If you look at the Wikipedia article it doesnt even mention there being a male form of the word, and usually if there are two forms the male form takes precedence but I guess that isn’t always true and there must be animals ending in A who have less-known male forms too.

*googles*

Águio seems to exist but Google asks “Será que quis dizer: Águias

Girafo goes straight through to girafa but there are a few references to Girafo from other languages (afrikaans?) and a Brazilian twitter account of that name too.

Tartarugo goes straight through to tartaruga (and, by the way, spellcheck wants to correct it to tartaruga when I write it too.

Ugh… My head hurts. Its early and I haven’t had coffee and I can’t deal with this shit now.

Posted in Portuguese

A Horta no Inverno

IMG_20190210_174856_289Não há muitas coisas para fazer nesta estação do ano. Há algumas flores a crescer perto da casinha; jacintos, narcisos e tulipas. Os primeiros botões estão a aparecer nos ramos das groselheiras e o ruibarbo está a acordar-se.  Mas já comecei a preparar. Espalhei composto no solo, amarrei as amoreiras (grande frase, esta. Soa bonita!) e cortei os ramos duma árvore que lançava uma sombra através do lote e reciclei-os para fazer um canteiro elevado para os morangos.

Posted in Portuguese

O Tempo Na Minha Terra

Ora bem, a Grã Bretanha, a minha terra, o país do meu nascimento, vamos falar do teu clima. Porque tens tantas nuvens? Aqui estamos no final de Julho e mal tenho visto o sol durante o mês inteiro. Por quê? Os tomates na horta ficam verdes e as abóborinhas ainda estão pequeninas. Deixa o sol brilhar por favor!

 

And a useful phrase that was used in the iTalki corrections: “Podia ter sido pior” which seems to mean “It could have been worse”

Posted in Portuguese

Morte Na Horta

Another old one from iTalki, related to my recent post about blue-tits.

notebook_image_799823Esta vista é a mais trágica do meu fim de semana. Como mencionei há uns dias, um par de melharucos azuis fizeram um ninho na casa de pássaros na nossa horta. Infelizmente, quando lá cheguei hoje encontrei a caixa no chão na esquina oposta do lote. Apanhei-a e vi umas marcas de dentes na entrada. As formigas invadiram-na, então quando a abri e espreitei lá dentro, vi as penas azuis e amarelas no cadáver do passarinho. Acho que uma raposa encalhou sob* a cerca e arrastou-a para baixo a caixa para obter uma refeição. Por um lado, eu sei que é algo natural – “natureza rubra nos dentes e nas garras” mas por outro lado, sinto-me triste porque a morte do passarinho podia ter ser evitada se tivesse situado a caixa mais alta do que um metro e meio.

 

*=the marker changed this to “saltou” but no, I’m pretty sure it tunneled under, which is what this says.

Posted in Portuguese

Uma Quinta Pequenininha Na Cidade – Parte 3

Hoje, voltei outra vez ao lote com a minha filha e a sua amiga. Trouxemos algumas ferramentas (tínhamos ido à loja sexta-feira para comprá-las). Conseguimos plantar as batatas, e fazer algumas outras obras. Enquanto elas puseram as batatas sob a terra, subi um escadote com uma serra e comecei a cortar os ramos das árvores ao lado do lote para deixar a luz chegar às folhas das plantas na terra.
Depois de três horas, bebemos um copo do sumo benemérito, evoltamos a casa.

notebook_image_682962

Além disso, passamos uma plante do ruibarbo para fora do solo para um balde, onde pode crescer sem problemas. Este é o balde preto na esquina do lote nesta fotografia.

Posted in Portuguese

Uma Quinta Pequenininha Na Cidade – Parte 2

notebook_image_682667Ontem, fui com a minha filha e a sua amiga ao nosso lote. Fizemos preparações para cultivar legumes. Tiramos algumas pequenas plantas que tinham crescido ali e usamos uma ancinho para preparar a terra para as sementes.
Mas quando acabamos de preparar, ficamos desapontados: as batatas que trouxemos estavam podres e havia pequenos insectos brancos a viver nas folhas. Não pudemos plantá-las.

Posted in Portuguese

Uma Quinta Pequenininha Na Cidade

Há seis anos, a minha esposa registou-nos numa lista de espera para um “allotment” e a semana passada, tivemos novidades que vamos ter a oportunidade de arrendar um deles. Não sei se existe uma palavra equivalente em português*. Um “allotment” é um lote de terra na cidade, talvez cinquenta metros quadrados, onde podemos cultivar** legumes, frutas e flores.
São propriedade do governo local e os cidadãos pagam uma renda para poderem usar-los.
A minha filha quer cultivar batatas e flores. A minha esposa quer cultivar morangos, cebolas, alhos, brócolos, bacalhau e esparguete*** (hei-de ter uma conversa longa com ela…), e eu… eu quero apenas construir lá um barracão onde posso sentar-me e praticar português sem perturbar os outros membros da família com os meus sons horríveis.

*= “quinta urbana” (urban farm) was suggested. “Lote de Terra” (used in the next sentence) was suggested as a possible alternative in Brazil too, although it does seem to indicate that the answer to the question “is there a specific word for a plot of public land in the city, for rent to residents” is “no, there’s only a plot of land, and you’ll have to do the rest of the description yourself!”.

**=My use of “crescer” (to grow) was universally nixed in both countries. Apparently you can’t use “to grow” as a transitive verb. What’s a transitive verb? Grammar isn’t taught very thoroughly in the UK because our grammar is a lot simpler than most, so for those of you who are puzzled at this point,  a transitive verb is a verb that takes a direct object. So if you say “I kick the ball”, kick is transitive because it is happening to the ball. In “I sleep for eight hours each night”, sleep is not transitive because you aren’t sleeping something, you’re just sleeping. In English, grow is transitive because you can say “I grow flowers in my window box” but in Portuguese, crescer is intransitive. My flowers grow but I don’t grow them. I can cultivate them (cultivar v.t), plant them (plantar v.t) or water them (regar v.t.) but I can’t grow them. They just grow. Crescer, by the way, is obviously related to the Italian word often (mis)used in English “crescendo”, so it’s easy to remember since a crescendo is when the music is growing in volume.

***=strawberries, onions, garlic, broccoli, codfish and spaghetti”. Despite the brackets saying “I will have to have a long conversation with her…”) two of the three people who helped me correct the work didn’t detect the joke and assumed I was either (a) using the wrong words and meant something else or (b) badly deluded about the basic principles of agriculture. Both fair assumptions, I suppose, given how any screw-ups there were in the rest of the text. Note that alhos and brócolos are both plural, whereas in English we would just treat both as uncountable stuff.

Thanks Susana, Greyck and Ester for helping correct this when it appeared on iTalki