Posted in Portuguese

Segredo Mortal – Bruno M Franco

Segredo Mortal de Bruno M Franco
Segredo Mortal

Here’s a review of the massive beach thriller I’ve been reading, “Segredo Mortal” by Bruno M Franco. I’ve possibly been a little harsh on it, given that it’s a thriller and not meant to be scrutinised too closely but hi ho. It’s a relatively easy read: if you’re at B2 you’ll probably hardly touch your dictionary and even a confident B1 could read it without enduring serious brainfires. It’s available at Bertrand of course and I’m sure I’ve seen it in the excellent Portuguese Language section of the Charing Cross Road branch of Foyles too, but can’t seem to find it on their site, so maybe it’s in-store only, or maybe that was just a beautiful dream. Amazon might have it too if you are a fan of evil companies.

A abertura dum bom thriller captura sempre a atenção do leitor. Geralmente há várias personagens em situações de perigo ou a enfrentar um mistério, e o autor alterna os capítulos entre as cenas, deixando os enredos desenrolar até fica claro qual é o fio que une todas estas histórias, e qual é a força sinistra por trás dos eventos. Se o escritor cumprir esta tarefa com êxito, a bolha delicada da nossa credulidade fica intacta até ao final. Não pedimos mais do que isso.

Os primeiros capítulos do “Segredo Mortal” não nos desiludem: uma tempestade, a descoberta de vários cadáveres, um jovem perseguido por um soldado, um assassino em série prestes a sair do seu lar…

E de forma geral, os capítulos que se seguem correm bem. O autor sabe escrever. O diálogo, o desenvolvimento das personagens, os encontros, a acção, tudo se lê bem, mas há pontos fracos quando se mete a explicar as ligações entre os elementos do enredo: por exemplo, a cena na qual os polícias ouvem o testemunho dum grupo de cientistas sobre as origens da tempestade: a sua explicação não faz o mínimo sentido. Se estivesse lá, eu diria “mas porquê?” de cinco em cinco segundos. Simplesmente não acreditei nos motivos por trás do enredo.

Por causa disso*, muitas outras coisas não bateram certo na ausência da minha “fé” no caroço do enredo: as mortes de várias pessoas; a existência de alguém que é simultaneamente um maluco assassino em série e um assassino profissional bem controlado; a entrada dos pais duma personagem importante; o relacionamento dos dois polícias (que deu num dos epílogos mais bizarros que já li na minha vida). Tantas, tantas coisas!

E por falar nos dois polícias, o livro poderia ser mais fino por cem páginas se os protagonistas soubessem o significado da palavra “Parceiro”. Duas vezes o homem entrou sozinho num sítio, para dar com o assassino em série. Quando a segunda vez chegou, eu estava a falar em voz alta, “Pá, és o parceiro dela. Leva-a contigo e talvez tenham hipótese de prender o gajo sem ficares esfaqueado pela segunda vez neste livro!”

Spoiler alert: deixou-a no carro e ficou esfaqueado pela segunda vez naquele livro. Eh pá!**

A minha filha aconselhou-me a deixar de ler mas estou contente por ter aguentado: o autor conseguiu o desfecho do enredo e apesar dos problemas, o livro é divertido.

*I originally wrote “por resultado” (as a result) but that’s not very idiomatic

**Just to contradict what I wrote in the footnotes of the Herman José text a few days ago, one of the suggested changes was to write “epá” on place of “eh pá”. I dunno, I think I’m just going to stick with this spelling, regardless of the fact that different people have different ways of writing it. It might seem a bit fussy to some but you can’t please all the people all the time.

Posted in Portuguese

A Morte do Papa – Nuno Nepomuceno

A Morte do Papa (Nuno Nepomuceno)
A Morte do Papa

O dramaturgo russo Anton Chekov disse uma vez “Se no primeiro ato colocares uma pistola na parede, no seguinte ela deve ser disparada” , mas os escritores de thrillers portugueses modificaram este princípio: “Se no primeiro ato colocares uma pistola na parede” dizem eles, “no seguinte ela deve ser disparada contra o Papa”.

Ou talvez seja só impressão minha depois de ler este livro e o Vaticanum de José Rodrigues Dos Santos.

Disponibilidade: Bertrand / Kobo ebook / Kobo audiobook

Posted in Portuguese

Comentário sobre “A Célula Adormecida” de Nuno Nepomuceno

Finalmente terminei de ler este livro gigantesco. Tem 577 páginas e prometi-me* que leria 20 páginas por dia para ler o livro inteiro dentro duma mês. Falhei. Fiz uma pausa no meio e não recomecei a sério até à semana passada.

O livro é um romance, tipo “Thriller”, mas é diferente duma típica história deste género. Os eventos desenrolam em Lisboa, excepto alguns capítulos que acontecem na Turquia. O enredo tem a ver com um grupo de terroristas do autoproclamado Estado Islâmico. No início do livro, no dia da eleição legislativa, fazem um atentado no centro de Lisboa, detonando uma bomba num autocarro. Depois, levantam a bandeira do Daesh no monumento da revolução de 25 de Abril. No mesmo dia, o vencedor das eleições, o novo primeiro-ministro, suicida-se. Um professor, que conhecia um dos terroristas mortos durante o ataque foi recrutado pelo SIS, para ajudar na caça dos outros antes da cimeira da NATO em Lisboa daí a um mês. Entretanto, uma jornalista começa a investigar o mistério do aparente suicídio, seguindo o pedido da viúva do político que fica convencida que ele fora assassinado.

Ambos têm problemas: o professor é assombrado por um passado escuro e a jornalista tem cancro. Os dois encontram-nos na Turquia e juntam-se para descobrirem a verdade.

O que é impressionante é que durante esta história de atrocidades terroristas, o escritor tentou com muito esforço evitar tratar todos os muçulmanos como terroristas (um problema comum em muitos thrillers). Explicou vários aspectos da sua fé, a cultura e a história do Islão, e a história recente da Síria e do Médio Oriente. Isto parece uma fraqueza no romance porque reduziu o suspense do enredo, mas acho que foi uma decisão do escritor. Hoje em dia há tantos mal-entendidos no mundo, e tanto ódio pela religião que nos forneceu com tantos grupos armados, que penso que é bom lembrar que a maioria das vítimas do terrorismo são muçulmanos, e aqueles muçulmanos de vários países receiam os efeitos da guerra nos seus próprios países ainda mais do que nós temos medo do terrorismo nos nossos países.

A Célula Adormecida: AmazonOfficial SiteBertrand

Thanks Raphael, Hugo, Sofia for the corrections

*=This means “I promised myself”. Someone suggested “Comprometi-me” (“I made a commitment”) which is a good option too. It wasn’t what I was trying to say but maybe “I promised myself” isn’t a phrase that’s used often in Portugal…?

17076540_1785622641765326_3850175912981037056_n
Instagram picture from some time ago when I was still just 90 pages in