Posted in Portuguese

“Aceitacionistas Acéfalos”

Acabei de ler uma opinião do Gustavo Carona que é uma resposta a um artigo do João Miguel Tavares.

O Senhor Carona defende que a confiança na autoridade da ciência está cada vez mais sob ameaça porque quando ouvimos factos desconfortáveis é tentador acreditar em mentiras calmantes. Vemos pessoas que não querem acreditar no aquecimento global, portanto não acreditam. É assim tão fácil. De mesma forma com covid há negacionistas que não querem usar máscara e zangam-se quando outros lhes pedem para a usar em público.

Na opinião dele, o JMT está a apoiar esse tendência por tratar os dois “pontos de vista” – o da ciência e o do negacionismo – como se fossem iguais, ou pelo menos como se fossem concorrentes num debate.

Infelizmente, a opinião do JMT não está disponível a quem não seja assinante do Público, portanto não sei se esta crítica é justa no caso dele, especificamente, mas de forma geral, acho que tem razão. O respeito pela ciência e a “fé cega” nela são muitos vezes visto como sinónimos nas bocas de populistas e chalupas em geral e é isso que a frase “aceitacionista acéfalo” implica. Mas acreditamos na ciência porque é um processo que tem mais sucesso do que a religião ou a adivinhação. Não é uma questão de fé mas sim de respeitar quem saiba mais do que nós próprios.

A maior diferença de opinião que tenho neste assunto é que ele afirma que “A verdade fica para segundo plano, quando a mentira nos conforta” mas na minha humilde opinião, não se trata de conforto. Muitas vezes, as teorias da conspiração são ainda mais perturbadoras do que a realidade. Os governos do mundo, dirigidos por pedófilos e aldrabões, querem silenciar o povo com máscaras e envenenar as nossas crianças com químicos tóxicos? Que pode ser mais assustador do que isso? A psicologia da chalupice é mais complicada do que um desejo de estar confortável.

Posted in Portuguese

Vendas de Porta-Bagagens

Factos Verídicos Fam. Thanks to Cataphract for the corrections

Há quem adore participar em mercados de coisas de segunda mão que decorrem muitas vezes antes do nascer do dia 😱. Não compreendo este desejo mas existem tais pessoas. A sério.

A escola da minha filha tem uma “boot sale” (venda de porta-bagagens*) que tem lugar uma vez por mês. É organizada por voluntários, maioritariamente pais de estudantes mas há também professores e pais de ex-estudantes e os lucros financiam actividades extra-curriculares.

Hoje de manhã, a minha mulher levantou-se cedo para ajudar na venda de hoje. Infelizmente havia um atraso na entrada no qual era localizada. Às 6.32 uns chalupas que levam as vendas demasiado a sério começaram a queixar-se.
“Deixem-nos entrar. Os carros já estão a andar” e tanto faz.
Os voluntários recusaram porque não receberam “luz verde” e um gajo de vinte e tal anos começou a berrar na cara dum voluntário “Vai-te foder seu filho de puta. Deixa-nos entrar”. O voluntário é velho mas felizmente, é português assim como a minha mulher, e os descendentes de Afonso I o Conquistador não se submetem a este tipo de javardices e intimidação. Não lhe permitiram entrar até que tudo estivesse seguro.

*aka porta-malas, aka bagageira