Posted in English

Supergigante – Ana Pessoa

A review of the book I’ve been reading. Thanks to Dani Morgenstern for the corrections.

Acabo de fechar a capa deste livro juvenil. É um livro daqueles que não tem um enredo muito bem definido mas está cheia de emoção. O narrador é um adolescente cujo avô faleceu recentemente. O rapaz, que se chama Edgar (também conhecido pela alcunha* “Rígel”) está a correr e a pensar. O livro é um registo dos seus pensamentos. Afirma que o dia em questão era simultaneamente o pior e o melhor dia da sua vida. O pior porque o seu avô desapareceu pela chaminé do crematório acima** e o melhor porque a Joana (irmã do seu amigo Júlio) beijou-o. Os sentimentos saltam na sua cabeça, tornando cada vez maior e o próprio Edgar sente-se maior. É o Rígel, uma estrela, uma supergigante azul, 18 vezes maior e milhares de vezes mais brilhante do que o sol. A corrida ajudá-lo a fazer sentido dos seus pensamentos até ao final quando está capaz de falar sinceramente com a Joana.

A. Capa de Supergigante de Ana Pessoa
Supergigante de Ana Pessoa

* I originally used “apelido” here, since that’s the translation gtranslate gives for nickname. At the time I thought this was weird since apelido also means surname. Sure enough, the person marking the work was confused and said Alcunha was the better choice. Apelido is only used that way in Brazil, it seems.

** pela chaminé acima =up the chimney

Posted in Portuguese

Toutinegra

Toutinegra, uma banda desenhada portuguesa

Toutinegra é uma banda desenhada portuguesa escrita por André Oliveira com ilustrações de Bernardo Majer. Conta a história de duas crianças de nove anos que moram numa aldeia esquecida. A mãe adoptiva do menino é uma louca que provocou um acidente de carro que causou a morte da mãe biológica dele e a quem, por alguma razão que não compreendo é permitido ficar com o bebé que ela encontrou no carro.

Os dois encontram uma criatura negra num moinho abandonado na floresta que “traz más notícias” a quem vai morrer ou a quem vai perder alguém. A influência da criatura inicia uma série de eventos trágicos. Gostei do estilo e dos desenhos (bastantes simples e ingénuos) mas acabei por não me sentir satisfeito com a história. Quase deu em êxito mas… Sei lá… Ficou muitas coisas* por explicar e o enredo parece um pouco rebuscada e incompleta.

*This is a weird one. A lot of people will just say “muita coisa” in spoken portuguese, just like “muita gente”, or like you might say “a lot of stuff” in English. But it is meant to be plural according to Ciberduvidas.

Posted in Portuguese

BRK – Filipe Pina e Filipe Andrade

BRK
BRK… SMH

Por que raios comprei este livro? Já sabia antes de comprar o primeiro tomo (lançado em 2007) que aina não existe a segunda parte, portanto eu provavelmente nunca saberia como se desenrola a história, mas ouvi falar do livro numa lista do “Top 15” de BD* portuguesas (https://vinheta2020.blogspot.com/2020/10/top-15-as-melhores-bds-portuguesas-de.html?m=1) o BRK vinha em segundo lugar, antes das aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy e depois d’A Balada para Sophie. Então, vale a pena? Não vale. Os desenhos têm graça mas não são consistentes**. A história não faz sentido. Há buracos no enredo do tamanho do Poço Iniciático. Precisa de mais esforço para concretizar a história como deve ser e depois, desenhar o resto da saga!

* Acronyms don’t get pluralised. One BD, Two BD

** This correction surprised me, I suppose because i think of two things being consistent together as a single system, if you see what i mean, so I didn’t see the adjective as needing to be pluralised. Anglophone thinking.

Posted in Portuguese

A Morte do Papa – Nuno Nepomuceno

A Morte do Papa (Nuno Nepomuceno)
A Morte do Papa

O dramaturgo russo Anton Chekov disse uma vez “Se no primeiro ato colocares uma pistola na parede, no seguinte ela deve ser disparada” , mas os escritores de thrillers portugueses modificaram este princípio: “Se no primeiro ato colocares uma pistola na parede” dizem eles, “no seguinte ela deve ser disparada contra o Papa”.

Ou talvez seja só impressão minha depois de ler este livro e o Vaticanum de José Rodrigues Dos Santos.

Disponibilidade: Bertrand / Kobo ebook / Kobo audiobook

Posted in Portuguese

Um Escritor Islandês

Today’s text is about Halldór Laxness, who was discussed on the Backlisted podcast. I got two corrections and I’ve put some notes at the bottom, some of which have some pretty interesting nuances of the language in them.

Halldór Laxness, public domain image from Wikipedia
Halldór Laxness

A minha esposa uma vez leu um livro de Halldór Laxness, um escritor islandês. É quase desconhecido em Inglaterra mas ganhou o Prémio Nobel de Literatura há décadas.
Ora bem, estava eu* a escutar o meu Podcast que já mencionei num outro texto quando um dos apresentadores falou de uma visita que tinha realizado** à Islândia. Numa excursão*** , um guia turístico indicou uma casa e afirmou “Aquela é a casa do nosso vencedor do Prémio Nobel, Halldór Laxness. Será que há alguém que conheça esse nome?”
O apresentador respondeu “Conheço. Já li um livro dele”
“A sério?” admirou o guia. “O senhor é o primeiro turista que ouviu falar dele, muito menos que leu um livro dele!”
“Oh”, exclamou ele. “Fico com tão orgulhoso!”
“Não”, replicou a guia. “Eu é que fico orgulhoso”.

Gosto muito**** desta história porque mostra bem o orgulho que os leitores de qualquer país sentem pelos melhores autores nacionais. Portugal tem Saramago (mais um laureado!) , Pessoa e Camões, nós temos Shakespeare, Dickens e Pam Ayres*****, e os islandeses têm o seu próprio Laxness.

*I originally wrote “eu estava” but that comes across as too colloquial and reversing the order comes across as better. It’s hard to relate this to anything in English so it might just be one of those things you need to get used to.

**Realizar has a meaning that just about exists in English but isn’t really used very often: it’s to make something real. You’ll occasionally hear about someone “realising improvements in…” productivity of fitness or whatever it might be, but that’s unusual. We tend to use realise to mean something like “perceive” or “understand”, and I think the Portuguese meaning probably makes more sense.

***Originally “Enquanto lá estava” (while he was there a tour guide pointed…) but the corrector pointed out this comes across as a clash, because “enquanto lá estava” indicates an extended period of time but the pointing only happened once. I think you could get away with it in English so part of me feels this might be a tiny bit “picuinhas” but maybe it sounds worse to Portuguese ears so it’s probably worth avoiding this kind of construction.

**** I originally wrote “tanto” on place of muito, but “I like this story so much because…” doesn’t really fly I’m Portuguese. I should have known. Its a relatively modern way of speaking in English. I don’t think we’d have said that in the eighties, say, it seems like something that we’ve picked up from watching American TV more recently.

*****Writers of equal stature. I will die on this hill.

Posted in English

Portuguese Graphic Novels

I had been putting together a list of Portuguese Graphic Novels for a while and it’s not quite finished yet but someone just asked a question about it so I’ve gone ahead and published it in draft form along with the other resources. If you’re looking at this on a computer it’ll probably be over on the right, and if you’re on a phone screen, you’ll probably need to scroll down a bit. Or just click here.

The plot thickens though because after I published it I saw a reply from another Redditor (is that what you call them?) with this link to a list of the supposed fifteen best. Some are on my list too, and some I don’t know. I’ve no idea why they have Caos e Ordem on there. I liked the look of that too but it’s a huge disappointment.

Posted in Portuguese

A Resistência (Val McDermid)

This is an attempt to translate the blurb of a book as literally as possible to avoid the lazy trap of sticking to words and grammar I know how to say when writing texts. Thanks again to ThisCatIsConfused for the help

Estamos* no fim de semana do solstício de Verão e cento e cinquenta mil pessoas reúnem-se numa quinta a nordeste de Inglaterra para assistir** a um festival de música ao ar livre. No início, uns salpicos de chuva parecem ser a única coisa capaz de estragar a diversão – até que surge uma doença misteriosa. Rapidamente, a doença espalha-se com uma velocidade electrizante*** e parece resistente aos antibióticos todos.
Será que a jornalista Zoe Meadows (hum… O resumo diz “Meadows” mas dentro do livro ela se chama Zoe Beck…) consegue rastrear o surto à sua fonte, e será descoberta uma cura antes da doença se tornar numa pandemia?


Um thriller empolgante, Resistência imagina um cenário de pesadelo**** que aparenta ser demasiado credível no rescaldo***** do covid-19

*=estamos no (“we are in the weeekend of…”) works better than está no… (“it’s the weekend of..”)

**=it’s been three years since I wrote a blog post specifically about the word “assistir” and I still haven’t got over the discovery of the weird interlinking meanings.

***=electrizante means electrifying and I’m a little surprised it works here but it seems to pass muster!

****=”nightmare scenario”

*****=the original English version has a couple of colloquial phrases in it that seem to have caused confusion. One was “bug” as in “stomach bug” which was corrected to “inseto” but that was a misunderstanding because the person who kindly translated it for me thought I meant the illness was transmitted by some kind of insect. This word “wake” might be the cause of a second mis-correction. The original says “in the wake of” which I put as “na sequência de” but I think the person who corrected it might have thought “wake” had its more usual meaning, as in “wake up” because they changed it to “no surgimento”. I discussed it with my resident expert who advised “no rescaldo” was better

I can’t say I really agree with the blurb. If you want to know more about the book and what I actually thought of it, have a look at my Goodreads profile.

Posted in Portuguese

Se Eu Fosse Um Livro – José Jorge Letria

Se Eu Fosse Um Livro de José Jorge Letria
Se Eu Fosse Um Livro

Quick review of this one. As it says in the text, you can enjoy the repetitive use of the imperfect subjunctive and call it homework for the B2 exam. It’s pretty basic apart from that though because it’s a children’s book.

Este livro fala da leitura. Repete-se em cada página a frase “se eu fosse um livro…” e logo a seguir um desejo que um livro poderia sentir. Muitas vezes este desejo é uma dica para os leitores de como apreciar livros ao máximo, tal como “…não gostava que me lessem só por obrigação, ou por estar na moda”

É divertido e ainda por cima, pode ser útil para quem quiser praticar os tempos verbais conjuntivos 🙂

Posted in Portuguese

O Vício Dos Livros – Afonso Cruz

O Vício dos livros de Afonso Cruz

Antes de mais, vamos falar deste livro como objecto em si: é muito agradável. As cores da sobrecapa, o formato, o tamanho, o peso do livro nas mãos. Todos estes aspectos, combinados, dão para satisfazer o leitor.

Quanto os conteúdos, o livro trata-se dum coligação de vários pensamentos, curiosidades e factos sobre a leitura. Para nós que gostamos de ler livros sobre livros, é muito interessante. Mimamo-nos com mais um capítulo curto e mais uma anecdota. É divertido, sem dúvida, mas fiquei aliviado quando cheguei ao fim. Mais que cem-e-tal páginas seria uma indulgência. Já chega. De volta aos romances.

Posted in English

The Quix and the Dead

Reading a book this morning I came across an example of a word in the wild that I had never seen before

Quixitesco/a – meaning Quixotic. I believe the correct pronunciation is “key shot-esco”, based on hearing Booktubers pronounce the name Don Quixote and the only pronunciation quide I can find backs that up, although it’s Brazilian so there’s still a small shadow of doubt, but I’m fairly confident.

Anyway, it’s not exactly uncommon for me to spot new words in the wild, but I enjoyed this one so I thought I’d share!

By the way, the book is “O Vício Dos Livros” (addiction to books) by Afonso Cruz, one of my favourite Portuguese writers. His work is incredibly diverse, covering everything from children’s books to massive chunky tomes, but this one is very compact, neatly illustrated with short, digestible texts. The grammar is not too taxing, thank god, but the vocabulary is a bit harder so it’s a decent stretch read for a B1 or B2 student who doesn’t mind checking the dictionary from time to time. It’s also new, and very popular at the moment, showing up all over Portuguese bookstagram, and I am always, always on trend. 😉