Posted in Portuguese

A Noiva Do Tradutor

43782967._SX318_Achei este livro muito desafiante, por causa da quantidade de palavras desconhecidas, mas isso não me importa porque, por acaso, gosto dum desafio!

Amiúde, quando leio livros difíceis, encontro-me a perder o fio à meada, porque tenho de abrir o dicionário tantas vezes, mas deste vez, consegui lembrar-me e reler os parágrafos mais densos, e de ver a história com uma visão alargada. Trata-se duma história, contada pelo Tradutor mencionado no título. A Noiva não aparece no “palco” do enredo excepto nas saudades do protagonista. Porquê? Porque tem o abandonado logo antes do início da história. O Tradutor é um herói interessante: introvertido, misantrópico até a ponto de ser cómico e cheio duma raiva impotente contra os que estão em sua volta. Conta a sua história num discurso da primeira pessoa, que, às vezes torna-se um fluxo de consciência. Lembrou-me dos protagonistas de vários outros romances, mas não é um estereótipo. É trágico, é grotesco, diz coisas fantásticas tal como “vivo mesmo numa estrumeira em chamas” e espera que (contra todas as aparências), se conseguisse comprar uma casinha amarela, a noiva voltaria. Mas acho que ela fez uma fuga bem sucedida por ter se afastado deste gajo!

Posted in Portuguese

Adrian Mole

Fui com a família ao Teatro Ambassador há 3 dias para assistir a uma peça nunlm teatro novo na sua noite de estreia. A peça é baseada num livro publicado nos anos oitenta chamado “O Diário Secredo de Adrian Mole Aos 13 Anos e 3/4”. Quando foi editado, eu tinha 13 anos, e Adrian, se fosse uma pessoa verdadeira, teria um ou dois anos a mais do que eu.

Adoro o livro, e li-o à minha filha já que ela tem mais ou menos a mesma idade. Gostámos do espectáculo. É um musical, portanto o enredo (que se passa em 1981) mudou ligeiramente para caber no formato do teatro musical, mas não é assim tão diferente do original. As canções e a actuação foram fantásticos. O palco foi decorado com autocolantes brinquedos e cartazes de 1981, ainda que o calão se tenha afastado da linguagem da época. Estas são coisas que um velhote, tal como eu, perceberia mas para os outros (incluindo as famílias dos jovens do elenco que faziam parte da plateia) não importa muito, e toda a gente gostou e bateu palmas numa ovação em pé no final.

Posted in Portuguese

Cinco Mil Quilómetros por Segundo

Esta banda desenhada conta a história de três adolescentes italianos: dois rapazes e uma rapariga. Tem um bom aspecto: a arte é bonita, mas infelizmente as personagens são desenhadas numa maneira inconsistente, portanto às vezes é difícil distinguir as pessoas. E é isso mesmo que é o maior problema do livro: a história não compriu a promessa feita pelas imagens. É belo, mas a história nem me agarrou assim tanto. É confuso e, não havia uma narrativa interessante. As personagens também, para mim, são aborrecidas. Enfim, soltei um grande “meh”.